Davide Domingues Arquitecto

Davide Domingues Arquitecto

Davide Domingues Arquitecto
Davide Domingues Arquitecto
Número incorreto. Por favor verifique o indicativo do país, da cidade ou número de telefone.
Ao clicar 'Enviar' eu confirmo que li os Política de privacidade e aceitei que a minha informação seja processada para responder a um pedido.
Nota: Poderá anular o seu consentimento enviando email para privacy@homify.com com efeito futuro.
Enviado!
Este profissional irá responder-lhe brevemente!

Habitação Uni familiar em Melgaço

construção de uma Habitação Unifamiliar, de tipologia T4, a levar a efeito no lugar de Esquipa, freguesia de Cristóval e concelho de MelgaçoÁrea total do terreno – 1886.00 m2

Área de implantação – 358.54 m2

Área bruta – 494.00 m2

Área de pavimentos – R/Chão: 479.20 m2; 1º Andar: 145.80 m2

Área total dos pavimentos – 625.00 m2

Área Útil – 285 m2

Volume de construção – 1482 m3    

N.º de pisos acima da cota de soleira – 2

N.º de pisos abaixo da cota de soleira – 0

Altura max.– 6,57 m

Cércea – 6 m

O terreno de construção está inserido num pequeno
aglomerado de características rurais em que predomina o uso habitacional e a actividade agrícola. È ladeado a sul e a poente por uma massa vegetativa abundante, facto que foi considerado, um ponto forte para a realização do projecto.

O caminho municipal confrontante estreita depois da baía de entrada que foi criada para o acesso à nova habitação, não apresentando condições, a partir daí, para a passagem de viaturas. Foram cumpridas as distâncias aos limites da propriedade, exigíveis na legislação permitindo no futuro, se proposto, o alargamento do caminho.

As vedações do terreno serão em alvenaria de pedra e desenvolvem-se de forma escalonada não ultrapassando 1,20 m de altura relativamente à cota do caminho.

O edifício foi implantado no centro do terreno e respeitou os alinhamentos referenciais existentes.

Considera-se que a tipologia de implantação adoptada seja nuclear e expandida, em que o núcleo/ construção e a envolvente/ natureza tornam-se catalisadores e receptores recíprocos.

O edifício será implantado à cota 98.78.

A intenção concepcional do projecto visou desde o início
a inserção da construção com a natureza rural e orgânica do sítio, aludindo à Arquitectura tradicional e vernacular da região e incutindo-lhe ao mesmo tempo a modernidade actual necessária (evolução). Neste sentido favoreceu-se a utilização de materiais duráveis facilmente recuperáveis e reutilizáveis, a adaptação ao clima e o uso de técnicas construtivas que favoreçam a climatização natural da habitação.

O terreno pontua-se de pinheiros, sobreiros e vegetação selvagem comum deste território. Pretende-se manter essa conotação e imagem de “bosque” selvagem conservando o conjunto florestal existente e fazer com que ela interaja com a própria construção, sendo a paisagem privilegiada desta.

A intenção é que o conjunto se misture com a paisagem envolvente como se fizesse parte dela.

Relativamente à volumetria adoptada considera-se que é consequência da funcionalidade inerente do edifício, do equilíbrio entre as partes e da imagem orgânica pretendida. Tratou-se esta vertente de tal forma a evitar a imagem de massificação excessiva e de maneira a atenuar a altura do edifício jogando com a horizontalidade, a verticalidade e a profundidade de forma dinâmica e cuidada, podendo-se dizer até, de forma analógica com a paisagem envolvente.

Relativamente ao 1º piso optou-se por uma distribuição interior que se reflecte no conjunto de volumes exteriores em que a mancha implantada se estende pelo terreno, mediante volumes puros, saliências, cheios e vazios, luz e sombra com a intenção racional de oferecer conforto e criar ambiências interiores advindas do exterior. Este tipo de implantação expandida tem a vantagem de um mesmo espaço, interagir com o todo mediante pátios e da mesma forma ser independente e individualizado relativamente aos outros. Acima de tudo, permite provocar uma relação do interior/exterior privilegiada. É revestido a pedra da região de forma a conferir à volumetria uma imagem sólida e por outro lado invocar os valores das antigas construções rurais de modo a identificar uma leitura paisagística que atende ao lugar.

O 2º piso, um paralelepípedo revestido a madeira, é mais compacto e corresponde à zona dos quartos. Assenta equilibradamente na base e é distribuído para que os quartos usufruam de pequenos espaços exteriores voltados para dentro. Este tipo de vivência garante a privacidade dos moradores.

Preço total
€162,646.4
  • Vista aérea - alçado lateral esquerdo e alçado principal:   por Davide Domingues Arquitecto

    Vista aérea – alçado lateral esquerdo e alçado principal

  • Vista aérea - alçado principal e alçado lateral direito:   por Davide Domingues Arquitecto

    Vista aérea – alçado principal e alçado lateral direito

  • Vista aérea - alçado principal e alçado lateral direito:   por Davide Domingues Arquitecto

    Vista aérea – alçado principal e alçado lateral direito

  • Perspectiva - alçado lateral direito e Posterior:   por Davide Domingues Arquitecto

    Perspectiva – alçado lateral direito e Posterior

  • Vista aérea - alçado lateral direito:   por Davide Domingues Arquitecto

    Vista aérea – alçado lateral direito

  • Perspectiva - alçado posterior e alçado lateral esquerdo:   por Davide Domingues Arquitecto

    Perspectiva – alçado posterior e alçado lateral esquerdo

  • Planta do 1ºandar:   por Davide Domingues Arquitecto

    Planta do 1ºandar

  • Cobertura:   por Davide Domingues Arquitecto

    Cobertura

  • Planta Rés do Chão:   por Davide Domingues Arquitecto

    Planta Rés do Chão

Admin-Area