Carpinteiros - Porto: Encontre os profissionais ideais | homify

5 Carpinteiros em Porto

Porto – a carpintaria presente na história e na actualidade

Qualquer cidade portuguesa, com uma zona histórica importante, tem de ter uma relação estreita com a carpintaria e, obviamente, o Porto não é excepção. 

Os materiais estruturais como o aço ou o cimento são coisas modernas. Antigamente, muitas das estruturas de uma construção eram feitas de madeira, desde o telhado até ao pavimento, e actualmente essas estruturas têm de ser mantidas, sob pena de descaracterizar os edifícios.

Tem sido sempre assim, ao longo dos anos. A prova disso está em documentos arquivados pelo município, com desenhos de obras de carpintaria de renovação, efectuadas ao longo dos séculos. Um exemplo são os desenhos do trabalho feito na Capela da Pena, em 1949, contendo pormenores dos tectos, da asna, dos aros, do telhado, das portas exteriores, das janelas, da porta de sacada, dos pavimentos e do soalho. 

Mas, mesmo na arquitectura moderna, a carpintaria é uma actividade essencial. Há sempre uma miríade de elementos feitos por carpinteiros numa construção, desde as cofragens até às portas, já para não falar de móveis à medida. Por isso, numa cidade com tanta construção, renovação e remodelação de edifícios, como o Porto, é natural que a actividade da carpintaria seja bastante activa e conte com muitas empresas.

Que tipos de actividades de carpintaria existem?

O termo carpintaria é usado para definir qualquer trabalho de índole prática, feito em madeira. 

Grosso modo, podemos falar em dois tipos de actividade de carpintaria: a carpintaria de toscos, quando efectuada como auxiliar à construção (cofragens, por exemplo), e carpintaria de limpos, quando falamos de actividades de acabamento em madeira, com produção de peças para serem polidas, envernizadas ou pintadas (portas, rodapés… ).

Se quisermos ser mais precisos, podemos referir que há várias especializações na área da carpintaria, conforme o tipo de trabalhos efectuados:

  • Carpinteiros de estruturas – planeiam e fabricam estruturas simples e são capazes de executar os planos mais elaborados, feitos por outros profissionais como arquitectos ou designers de interiores, para estruturas complexas;
  • Carpinteiros de acabamentos – são especializações, nesta área. Existem carpinteiros de pavimentos e rodapés, carpinteiros de portas e janelas, entre outros. Esta especialização é bastante acentuada e acaba também por ser imposta pela maquinaria específica para a produção de cada peça. Isto signifca que existe polivalência mas que um carpinteiro de pavimentos pode não conseguir fazer uma porta, por exemplo;
  • Carpinteiros de mobiliário – produzem móveis à medida, e reparam móveis danificados.

Diferenças entre marceneiros e carpinteiros

Muitas vezes há alguma confusão na diferenciação entre estas duas profissões, afinal ambas trabalham a madeira. No entanto, fazem-no de formas diferentes e é preciso fazer essa distinção:

  • Carpinteiro – trabalha a madeira e os seus derivados para produzir peças de carácter funcional, que podem ou não ser embelezadas. Planifica e executa as peças de acordo com os dados recolhidos, interpreta desenhos técnicos e especificações em obra, mede, marca e corta as peças, faz a montagem e a instalação, entre outras tarefas;
  • Marceneiro – faz um trabalho mais artístico e de embelezamento, trabalhando essencialmente com madeira natural;
  • Estas profissões muitas vezes colaboram na elaboração dos trabalhos.

Que características devo procurar num carpinteiro

Há sempre pessoas com quem nos identificamos mais, seja pela simpatia, pelo profissionalismo ou pelo carisma. Mas, na procura do carpinteiro certo para si, há algumas características importantes que deve ter em conta sempre:

  • Flexibilidade e criatividade – saber contornar os problemas é uma virtude em qualquer ramo para fazer um trabalho de qualidade. Como pode avaliar esta característica? Fale com o profissional, visite a oficina e, sobretudo, fale com clientes anteriores;
  • Experiência e formação – a experiência é fundamental, mas por si só não é garantia de um trabalho de qualidade. Só a formação proporciona as ferramentas de actualização necessárias para se estar em linha com as técnicas de trabalho mais modernas;
  • Fornece qualidade a um preço justo – um bom trabalho paga-se, mas um preço muito caro pode não significar um serviço melhor, pelo que deve descartar propostas estranhamente baixas ou escandalosamente altas. Uma vez mais, auscultar os antigos clientes ajuda à decisão;
  • Fornecedores estáveis – perceber a estabilidade da relação do profissional com os seus fornecedores é um bom indicador da estabilidade do negócio e, por conseguinte, do bom decorrer do seu projecto. Pagamentos em atraso significam muitas vezes entregas fora do prazo acordado e trabalhos atrasados, por exemplo;
  • Cortesia – os tempos em que os trabalhadores destes ofícios podiam ser rudes e desalinhados já passaram. Os novos tempos pedem compostura, relações públicas e uma boa comunicação com o cliente. Tem de se sentir à vontade para pedir alterações ou fazer notar algum defeito pois, de outra forma, o trabalho pode não ficar ao seu gosto.

O que deve figurar no contrato com o carpinteiro?

Há coisas que devem ficar por escrito para evitar mal-entendidos antes, durante e após o processo. Vamos ver algumas que lhe podem ser úteis:

  • Preços discriminados – não embarque em preços generalistas ou num valor aproximado. Peça preços discriminados e um valor predeterminado. Isto não significa que não possa haver ajustes posteriores, mas estes devem sempre ser bem justificados;
  • Prazos – estabelecer a data de entrega de um trabalho é muito importante. Claro que pode haver atrasos e que é preciso alguma flexibilidade (que só se consegue com boa comunicação), mas é importante estabelecer prazos para evitar indefinições;
  • Materiais e as suas características técnicas – é fundamental conhecer as características dos materiais para escolher (laminado, melamina… ) com consciência, pois os carpinteiros tanto trabalham com madeira natural como com os seus derivados. Depois, deve sempre pedir para que fique estabelecido em contrato quais os materiais e técnicas que serão usados no seu projecto;
  • Garantias – Não se esqueça de incluir algumas garantias em contrato. Procure alguém que dê garantias, depois do projecto ser entregue. Peça, também, garantias de cumprimento com a legislação vigente relativamente à segurança e saúde no trabalho, certificando-se de que os trabalhadores usam equipamentos de protecção pessoal (luvas, botas de segurança, óculos de protecção… ). Em caso de acidente a responsabilidade destes requisitos não estarem tratados será do dono da obra, ou seja sua.

Como posso encontrar um carpinteiro no Porto

Na era da informação, encontrar profissionais em qualquer parte do país, ou mesmo do mundo, não é difícil. À distância de uma pesquisa, estão sites e fóruns de todos os tipos que o podem conduzir nesta busca, inclusivamente proporcionando-lhe referências e opiniões sobre os trabalhos efectuados. 

Aqui mesmo, na homify, pode encontrar muitos profissionais desta área, com os respectivos contactos e até a zona de actuação.

Actualmente, a dificuldade (mesmo) é saber quando parar de procurar. Até onde devo levar a minha pesquisa?

Em termos geográficos, se o seu projecto fica no Porto, o mais sensato será mantê-lo na zona do Grande Porto, para controlar os custos de deslocações e transporte. Nesta rede de cidades, as vias de comunicação são boas e os fornecimentos ficam facilitados. Além disso, a proximidade geográfica, por vezes, também significa proximidade pessoal, facilitando a confirmação de referências e as recomendações pessoais.

Quanto custa contratar um carpinteiro no Porto?

Obviamente que esta resposta vai depender do tipo de trabalho a executar (estruturas, móveis, pavimentos… ), dos materiais escolhidos e das horas que o profissional vai levar a executar o seu serviço, dos transportes necessários e da facilidade de montagem. Com tantas condicionantes, o valor mais estável é o valor médio pago à hora a estes profissionais: cerca de 17,50 Euros, por hora, para um carpinteiro de 1ª e de 16,90 Euros para um carpinteiro ajudante.

Pesquisar imagens relacionadas