Arquitetos - Guimaraes: Encontre os melhores profissionais | homify

90 Arquitetos em Guimarães

Área servida

Guimarães: o berço de Portugal e de uma nova geração de arquitectos 

Antiga e com um papel fundamental na formação de Portugal, a cidade de Guimarães pertence ao Distrito de Braga e tem 158 097 habitantes. O belo centro histórico é considerado Património Cultural da Humanidade, o que a todos nos orgulha. Percorrer Guimarães é percorrer ruas e ruelas cheias de vida e encanto e demorarmo-nos a contemplar monumentos que contam a nossa História e as histórias da Cidade Berço. Afinal de contas, ali nasceu Portugal e um parto tem sempre muito que se lhe diga.

 

Desengane-se, porém, quem pensa que Guimarães é só antiguidade. Pelo contrário, é uma cidade que soube compatibilizar passado e presente. O património concilia-se com uma dinâmica empreendedora e uma cidade plenamente adaptada a um estilo de vida moderno, que muita qualidade de vida oferece a quem nela habita. Ao mesmo tempo, tem uma localização de excelência, com o Porto e Braga por perto.

 

Guimarães, além do mais, proporciona aos seus habitantes uma vida cultural interessante. Foi Capital Europeia da Cultura em 2012 e tem, desde 2005, o Centro Cultural Vila Flor que recebe eventos importantes a nível nacional. Sem esquecer, claro está, a panóplia de museus, monumentos, galerias de arte, associações culturais e as tradições e festividades que alegram a vida da cidade.

 

Mas, se está a pensar construir ou remodelar casa – ou qualquer outro espaço – em Guimarães, vai precisar de um arquitecto.

 

Guimarães: arquitectura e património

Começamos por onde começou Portugal: pelo Castelo de Guimarães que se impõe, sobranceiramente, no topo de uma colina. O castelo de estilo românico data do século X e não era, claro está, como o conhecemos hoje visto que, após um período de degradação progressiva, foram-lhe efectuadas obras de restauro.

 

O castelo é o senhor da cidade, mas está rodeado de monumentos importantes. Entre eles, o Paço dos Duques de Bragança construído, no século XV, pelo rei D. Afonso. O sublime edifício foi intervencionado entre 1937 – 1959, tendo a sua reconstrução sido levada a cabo pelo famoso arquitecto Rogério de Azevedo.

 

No centro, de dia e de noite, a vida fervilha no Largo da Oliveira circundado por casas tipicamente nortenhas com janelas de guilhotina e flores nas varandas. A partir do Largo, pode-se iniciar uma visita a pé pela cidade e, no próprio local, aproveitar para conhecer a Igreja de Nossa Senhora da Oliveira.

 

Guimarães: habitação

Como tem vindo a acontecer noutras cidades portuguesas, também Guimarães se tem debatido com o problema do envelhecimento e subsequente falta de dinamização do Centro Histórico. Apercebendo-se do fenómeno, o município tomou algumas medidas que passam por isentar do IMI os proprietários dos imóveis que pertencem a esta área classificada e impedir que a função dos edifícios mude, contrariando o fenómeno do alojamento de curta duração e a transformação dos edifícios em estabelecimentos comerciais. 

Estes incentivos vêm, também, colmatar outros problemas com os quais os casais mais jovens se deparam quando confrontados com a possibilidade de habitar o centro histórico, como o facto de o trânsito estar cortado nestas áreas ou não haver onde deixar o carro. Desta forma, consegue-se trazer pessoas jovens para o centro que se torna, assim, mais dinâmico e, claro está, rejuvenescido. O turismo é muito importante e deve ser promovido, mas sem esquecer as pessoas – novas e idosas – que são, no final de contas, o verdadeiro património das cidades.

 

A recuperação de edifícios devolutos deve, a nosso ver, ser levada a cabo por um arquitecto de Guimarães que conheça bem o estilo das casas e a cidade. As reabilitações devem ser pensadas com bom senso e bom gosto, mantendo-se, sempre que possível, as pré-existências que enaltecem e dão carácter aos espaços. Por outro lado, a obra não deve abrir mão do conforto e funcionalidade que as famílias modernas procuram e de que precisam. 

 

Preço por metro quadrado de um terreno em Guimarães e IMI

Se não está nos seus planos remodelar ou reabilitar uma casa, mas sim comprar um terreno e começar um projecto do zero, então é oportuno averiguar primeiro os preços. Como sabemos, nos grandes centros urbanos, os preços dos terrenos dispararam nos últimos anos. No Porto, em 2018, o preço por metro quadrado de um terreno era de cerca de 1254€/m2. Estes valores exorbitantes têm levado as pessoas a procurar soluções nas cidades e vilas adjacentes onde a diferença de preços é, na maior parte das vezes, estonteante. Em Guimarães, por exemplo, o preço do terreno por metro quadrado, em 2018, rondava os 704€/m2 (menos 550€ que no Porto!).

 

Um arquitecto em Guimarães podê-lo-á ajudar a escolher o terreno que melhor se adequa ao que pretende construir. Aliás, antes da compra, o terreno deve ser sempre avaliado a vários níveis: acessos, qualidade do solo, desníveis, entre outras coisas. O nosso olhar leigo pode não detectar problemas que são evidentes para um arquitecto experiente.

 

No que concerne ao IMI, e com a excepção do Centro Histórico já mencionada, em 2018, a taxa estava fixada em 0.35%.

Porquê contratar um arquitecto de Guimarães?

A contratação de um arquitecto que trabalhe na própria cidade – ou perto – é vantajosa a vários níveis. Primeiro, evita custos de deslocação, o que é uma mais-valia já que, ao longo do projecto, poder-se-á ter que encontrar com o arquitecto várias vezes, para além de este ter que visitar o local da obra para a supervisionar.

 

Além disso, um arquitecto de Guimarães terá, à partida, vários contactos dentro da cidade que são úteis para o seu projecto. Lembre-se que o arquitecto não trabalha sozinho e há empresas de construção, de carpintaria, de fabrico e instalação de cozinhas, entre outras, que já conhece e nas quais confia, pelo que pode envolvê-las na construção da sua casa.

 

Não menos importante é o facto de já estar familiarizado com as burocracias e poder ajudá-lo ou, pelo menos, aconselhá-lo durante a etapa da apresentação do projecto e pedido do licenciamento (neste ponto, tudo depende dos gabinetes e dos serviços prestados). Esta fase da papelada pode arrastar-se e criar um grande inconveniente na vida das pessoas que não vêem a hora de ter a casa pronta. Delegar esta tarefa é, estamos em crer, mais do que aconselhável.

 

No fim, contratar um arquitecto, seja ele de Guimarães ou de outra cidade, é o melhor que pode fazer para que o seu projecto fique tal e qual como o imaginou. Os arquitectos acrescentam valor às casas, encontram soluções originais e astutas, optimizam os orçamentos que lhes são disponibilizados e, em vez de verem problemas, vêem oportunidades e soluções.

 

Como encontrar um arquitecto em Guimarães?

A pergunta é mais: como não encontrar um arquitecto em Guimarães? Impossível! Guimarães é a casa da Escola de Arquitectura da Universidade do Minho, uma das melhores do país, o que significa que, todos os anos, forma milhares de alunos cheios de vontade de entrar no mercado de trabalho para pôr em prática aquilo que acabaram de aprender.

 

Sendo certo que um arquitecto experiente nos dá muita segurança, também não é menos verdade que contar com os novos talentos é contar com ideias frescas e inovadoras. Vale realçar que muitos destes estudantes, para além de terem estudado em Guimarães, também viveram na cidade no decorrer do curso, pelo que conhecem bem as suas características.

 

Ainda assim, e como é óbvio, a escolha de um arquitecto deve sempre ser cautelosa e ponderada. Procure, na homify, arquitectos em Guimarães e conheça os projectos da autoria de cada gabinete. Pode, também, fazer esta pesquisa através da Ordem ou do motor de busca do costume: o Google. Seja qual for o seu método de pesquisa, não se fique apenas por um arquitecto. Escolha alguns gabinetes com projectos que lhe interessam e entre em contacto com cada um deles.

 

Apresente as suas ideias aos arquitectos numa conversa aberta, isto é, não deixe de esclarecer todas as suas dúvidas – construir ou remodelar casa tem que se lhe diga – e esteja atento às respostas. Tente perceber se está perante um profissional disponível, criativo e com o qual tem empatia. Ter uma boa relação com o arquitecto é crucial para o processo correr sem constrangimentos.

 

Não se esqueça de pedir vários orçamentos para ter termo de comparação e lembre-se que, por vezes, o barato tem rato. Faça uma análise atenta ao orçamento. Um valor alto pode justificar-se se abranger muitos serviços que, se for a contratar por fora, ainda lhe sairão mais caros.  

 

Por fim, sugerimos que peça referências a antigos clientes e, claro, aos seus amigos e família que já precisaram de recorrer a este serviço.