Arquitetos de interiores - Porto: Encontre os profissionais ideais | homify

114 Arquitetos de interiores em Porto

Arquitectos de interiores no Porto

O Porto é a segunda maior cidade do país e o quarto município mais populoso. Pensar no Porto é pensar nas casas coloridas da Ribeira, nas pontes que atravessam o rio, nas ruas e vielas íngremes, no grande Parque da Cidade com frente mar, na deliciosa gastronomia e muito mais.

O crescimento do turismo tem tido um grande impacto na cidade que viu muitos dos seus prédios antigos requalificados e o centro mais dinâmico. Não faltam, no Porto, bons restaurantes e cafés, salas de espectáculo, museus, praias e edifícios históricos. A oferta é abundante e variada.

O Porto acolhe uma boa parte das pequenas e médias empresas do país e é a única região portuguesa que exporta mais do que importa. O porto de Leixões desempenha um papel vital neste sentido, assim como o Aeroporto Francisco Sá Carneiro que, em 2014, foi considerado o terceiro melhor aeroporto europeu.

Se tem a sorte de morar no Porto e procura um arquitecto de interiores que torne a sua casa ainda mais bonita e funcional, então leia, com atenção, as informações que reunimos neste texto.

1. O que fazem os arquitectos de interiores?

Os arquitectos de interiores são profissionais formados em Arquitectura que se especializam na área de interiores. A prática desta profissão exige que se considere tudo o que tem a ver com o interior de um edifício e que vai afectar a forma como ele é usado. Isto inclui os acabamentos, os materiais, a iluminação, a ergonomia, a ventilação e a distribuição dos sistemas de electricidade e de canalização. Os arquitectos de interiores envolvem-se no projecto logo de início e têm uma palavra a dizer em cada etapa até que os espaços estejam concluídos.

Estes especialistas debruçam-se sobre projectos particulares e de edifícios públicos e comerciais. O papel dos arquitectos é cada vez mais importante no mundo moderno. Um hotel, restaurante ou café que queira sobressair entre os demais deve, entre outras coisas, destacar-se pela arquitectura dos seus interiores. Afinal de contas, quantas vezes entramos nestes espaços porque o aspecto dos mesmos nos atraiu?

O trabalho do arquitecto de interiores não descura, claro está, a estética, mas é muito orientado para a funcionalidade e para o conforto. O principal objectivo assenta na criação de ambientes personalizados e práticos onde seja fácil circular e onde se possa estar com comodidade.

2. O que distingue um arquitecto de interiores de um designer de interiores e de um decorador?

É importante os clientes saberem o que cada um destes profissionais faz. Só assim se consegue contratar a pessoa certa para o trabalho pretendido. 

Há, compreensivelmente, alguma confusão no que a estes conceitos concerne, o que é normal visto que eles se tocam e cruzam em certos aspectos.

Aquilo que os diferencia, pode ser explicado da seguinte maneira:

Arquitecto de interiores: os arquitectos de interiores apoiam-se na arte e na técnica para projectar espaços interiores, tendo em conta todos os elementos de construção. Estes profissionais possuem, como já mencionado, um background em Arquitectura e privilegiam a funcionalidade acima de tudo. Se desejar fazer alterações de fundo em sua casa como, por exemplo, mudar a configuração de um espaço através da demolição e da construção de paredes, ampliar uma divisão ou construir uma casa de banho de serviço, então é este profissional que deve contratar já que é o que melhor habilitado está para fazer alterações estruturais.

Designer de interiores: os designers de interiores são formados em Design ou em Belas-Artes. Apesar de trabalharem muito em prol da funcionalidade, os designers de interiores podem ser apenas requisitados para alterar revestimentos, mobiliário e peças de decoração. No entanto, estão aptos a modificar estruturalmente os espaços, embora não o tendam a fazer de forma tão profunda como os arquitectos de interiores.

Decorador: os decoradores não precisam de educação formal para trabalharem na área. Contudo, há, em Portugal, vários cursos de Decoração – quase todos de curta duração – que permitem a estes profissionais adquirir um conhecimento mais profundo sobre estilos, cores, metodologia, modelagem digital 3D, e assim por diante. Os decoradores intervêm numa fase final do projecto e pensam visualmente os espaços. Se precisa, apenas, de refrescar a decoração da sua casa, então contrate um decorador. Este profissional ajudá-lo-á a escolher cores, tecidos, mobiliário, peças de decoração, papéis de parede – se os quiser incluir – e a organizar todos estes elementos de forma harmoniosa.

3. Como se desenvolve o trabalho de um arquitecto de interiores?

  • Numa primeira etapa, o cliente deve encontrar-se com o arquitecto de interiores e, se possível, visitar uma ou mais vezes o local da obra. É nesta fase que se discutem as expectativas e as ideias do cliente para o espaço e o orçamento de que dispõe para o projecto.
  • O arquitecto de interiores tenderá a revisitar o espaço, provavelmente acompanhado por outros profissionais, como engenheiros, para inspeccionar e perceber o potencial do mesmo, determinando aquilo que é viável ou não mediante as condições pré-existentes e o limite orçamental do cliente.
  • Após esta visita, é possível apresentar o orçamento que deve incluir o tipo de trabalho a ser feito, os prazos e o preço. É fundamental que o orçamento seja detalhado e que esteja redigido com clareza, de modo a salvaguardar todos os intervenientes. Note-se que, antes de ser apresentado o orçamento final, é provável que o arquitecto de interiores faça uma estimativa baseada no estudo prévio. O orçamento final e pormenorizado surge quando se faz o projecto de execução que abrange vários pormenores de construção.
  • Aprovado o orçamento, prossegue-se para a fase mais divertida que diz respeito à criação do projecto propriamente dito. Actualmente, a maior parte dos profissionais trabalha com programas de modelagem 3D usados para gerar representações tridimensionais das áreas e experimentar cores, materiais e diferentes configurações antes de se iniciar a obra. Os clientes podem, assim, aceder a uma imagem muito realista do resultado, pedir alterações atempadamente e avançar com segurança.  
  • Iniciada a obra, é ao arquitecto que compete a alocação de mão de obra (carpinteiros, electricistas, canalizadores, marceneiros, entre outros), a coordenação de todos os profissionais envolvidos, o supervisionamento do desenvolvimento dos trabalhos, a gestão do caderno de encargos e a comunicação com os clientes.

4. O que considerar antes de contratar um arquitecto de interiores no Porto?

Contratar um arquitecto de interiores no Porto trar-lhe-á inúmeras vantagens. Todavia, o recurso a este serviço requer ponderação.

Antes de contratar um arquitecto de interiores, considere os passos que se seguem:

  • Analise portefólios de diferentes arquitectos de interiores. Um portefólio bem construído e com fotografias de qualidade é bom sinal. Seleccione os profissionais com que mais se identifica em termos de estilo e que já tenham executado projectos dentro daquilo que pretende.
  • Depois de afunilar as suas escolhas, marque encontros com os arquitectos e aproveite esse momento para colocar questões, para partilhar imagens de espaços de que gostou – pode até criar um moodboard – e para perceber se está perante um profissional com o qual tem empatia. Fazer obras em casa é um processo desafiante e pode tornar-se complicado se não houver uma boa relação entre o cliente e o arquitecto. 
  • Tente saber quais são as qualificações do profissional, se é especializado em alguma área – esta informação pode ser determinante – e quantos anos de experiência tem. Um arquitecto de interiores que acabou de entrar no mercado de trabalho não é, obviamente, uma má escolha, mas, para um projecto de grande dimensão, é preferível contar com alguém que tenha, pelo menos, três anos de experiência.
  • Consulte as referências deixadas por antigos clientes. Quanto mais forte for a presença online do arquitecto de interiores, mais fácil será aceder ao feedback que os antigos clientes deixaram. Procure, por exemplo, na página de Facebook e no Google My Business.
  • Os contratos apalavrados não têm qualquer valor. A obra deve ser iniciada depois de assinado um contrato que seja justo para ambas as partes.
  • Privilegie um arquitecto de interiores que lhe ofereça garantias. Assim, se alguma coisa correr mal nos meses que se seguirem à conclusão da obra, não tem que entrar em despesas.

5. Onde encontrar um arquitecto de interiores no Porto?

Agora que já sabe ao certo o que faz um arquitecto de interiores e o que deve ter em conta antes de contratar um, chegou a fase de encontrar a pessoa certa.

A sua procura pode começar pela homify, uma plataforma online que trata as áreas da arquitectura, do design de interiores, da decoração e da construção. Na nossa plataforma, partilhamos artigos diariamente que mostram o que de melhor se faz em Portugal. Dispomos, para além disso, de uma galeria vasta em que todas as imagens estão creditadas. É, assim, muito simples saber que profissional está por detrás de cada uma delas. Todos os profissionais inscritos na homify têm o seu próprio perfil onde partilham álbuns com os trabalhos que executam e os contactos úteis.

Para além da homify, faça uma pesquisa no Google e nas redes sociais através das palavras-chave arquitectos de interiores no Porto. Nas redes sociais, faça uma publicação a pedir uma recomendação. É muito provável que, entre os seus contactos, haja alguém que já tenha recorrido a este serviço e lhe dê uma boa indicação.

Esteja, também, atento às revistas portuguesas de arquitectura e de design que são ricas em referências a profissionais de excelência.

Indague, igualmente, junto dos seus amigos, familiares e colegas. Mesmo que nunca tenham contratado um arquitecto de interiores, podem conhecer alguém que trabalhe na área.

Pesquisar imagens relacionadas