Arquitetos de interiores - Lisboa: Encontre os melhores profissionais | homify

63 Arquitetos de interiores em Lisboa

Área servida

Arquitectos de interiores em Lisboa

Lisboa é a capital portuguesa e um dos destinos mais apetecíveis do momento. Na Europa, é a segunda cidade com maior crescimento no turismo. 

O turismo trouxe alguns dissabores, mas, ao mesmo tempo, veio beneficiar a cidade, que viu muitos dos seus prédios antigos reabilitados, uma melhoria na mobilidade urbana, designadamente para os segmentos mais jovens da população, e tem, agora, uma melhor oferta a vários níveis: cultural, comercial, gastronómico e de lazer.  

Lisboa é, também, a região mais rica do país, com uma economia que se apoia, sobretudo, no sector terciário. É, naturalmente, nesta grande metrópole que estão concentradas muitas empresas nacionais de renome, assim como multinacionais proeminentes. A Área Metropolitana de Lisboa acomoda o maior porto de contentores da costa atlântica e o maior aeroporto nacional, que recebe mais de 20 milhões de passageiros anualmente.

Se mora na bela Lisboa e procura um arquitecto de interiores, então anote as informações que incluímos neste texto.

1. O que fazem os arquitectos de interiores?

Os arquitectos de interiores têm um background em Arquitectura, mas especializam-se nos ambientes interiores de casas particulares e de outros edifícios (empresas, lojas, hotéis, etc.). Estes profissionais propõem-se a tornar os espaços mais bonitos, funcionais e seguros, mas compreendem-nos do ponto de vista estrutural, pelo que podem alterá-los mais a fundo. Para o efeito, precisam de conhecimentos sobre as características de diferentes materiais de construção e sobre o uso da iluminação, das texturas e das cores.

Ao longo do projecto, os arquitectos de interiores interagem com os clientes, com equipas de construção, com engenheiros e até com outros arquitectos e designers

As normas de construção devem ser conhecidas e cumpridas.

2. Como se processa o trabalho de um arquitecto de interiores?

Numa fase inicial, o arquitecto de interiores encontra-se com o cliente, que deve comunicar as ideias e as expectativas que tem para o projecto, mas estar aberto a sugestões. Esta etapa incluirá uma ou mais visitas ao local a ser intervencionado.

Posteriormente, começam a fazer-se os esquissos e as representações gráficas. Hoje em dia, a maior parte dos profissionais faz projectos tridimensionais que permitem ao cliente ter uma noção muito realista de como os espaços vão ficar. Para tal, usam-se softwares como o ArchiCAD, o Revit ou o AutoCAD. Esta é uma das grandes mais-valias inerentes à contratação de um arquitecto de interiores. Se o cliente quiser, por exemplo, remodelar a sala de estar, o arquitecto pode criar uma representação tridimensional da sala e experimentar cores, materiais e layouts antes de avançar com a obra. As imagens geradas são tão detalhadas que, por vezes, é difícil dizer se são computadorizadas ou reais. O projecto deverá também mostrar onde serão abertas as janelas, colocadas as portas, como serão distribuídos os sistemas eléctricos e de canalização e de que forma os espaços serão ventilados.

Depois de iniciada a obra, o trabalho do arquitecto de interiores não termina. O especialista deve estar presente para gerir as equipas, supervisionar os trabalhos e ir fazendo o ponto da situação ao cliente. O trabalho de um arquitecto de interiores só acaba quando o espaço estiver, também ele, acabado e o cliente satisfeito.

3. O que distingue um arquitecto de interiores de um designer de interiores e de um decorador?

Estamos certos de que já ouviu as três designações, mas é possível que tenha algumas dúvidas sobre o alcance do trabalho de cada um. Na verdade, não são áreas herméticas. Os arquitectos e designers de interiores e os decoradores podem trabalhar em conjunto e, consoante as qualificações que possuem, fazer trabalhos mais ou menos abrangentes. 

Para o cliente, é importante perceber as tarefas de que estes profissionais estão incumbidos. Por essa razão, aclaremos os conceitos:

Arquitectos de interiores: os arquitectos de interiores são, como mencionámos, formados em Arquitectura, mas especializados em interiores. Estão envolvidos nos projectos desde o início e tomam decisões importantes em relação à forma como o espaço vai ser usado. Entre estas decisões, estão aquelas que dizem respeito ao posicionamento de elementos estruturais que influenciarão, directamente, a funcionalidade, a estética e a segurança dos ambientes.

Designers de interiores: contrariamente aos arquitectos de interiores, a formação de base dos designers de interiores é em Design ou em Belas-Artes. Estes profissionais estão mais vocacionados para a escolha dos acabamentos e de outros detalhes estéticos, tendo sempre em mente a funcionalidade. Podem, tal como os arquitectos de interiores, alterar os espaços ao nível estrutural, mas tenderão a fazer obras menos invasivas.

Decoradores: para os arquitectos e para os designers de interiores, a funcionalidade é a chave. O trabalho dos decoradores, por sua vez, está mais orientado para o aspecto dos espaços, isto é, relaciona-se mais com a estética do que com a funcionalidade. São os decoradores que escolhem os tecidos, as cores, os ornamentos, os papéis de parede e são eles que, a par com o cliente, definem o estilo da decoração (moderno, minimalista, rústico, escandinavo, etc.). Estes profissionais devem ser dotados de uma forte sensibilidade estética e, embora possam – e devam – fazer cursos, não precisam de educação formal para exercer a profissão.

4. Porquê contratar um arquitecto de interiores em Lisboa?

Entre as vantagens de contratar um arquitecto de interiores, destacaríamos as que se seguem:

Optimização do orçamento: um arquitecto de interiores ajudá-lo-á a escolher os melhores materiais e a encontrar as soluções mais adequadas, com base numa boa relação qualidade/preço. Isto será fundamental para controlar gastos e fazer investimentos cirúrgicos. Os espaços projectados por um arquitecto de interiores, para além do apelo visual e da funcionalidade, sobressairão pela qualidade, o que significa que dificilmente lhe trarão problemas e despesas.

Melhor valor de mercado: um arquitecto de interiores acrescentará valor de mercado à sua casa, o que é muito oportuno se a quiser vender. Para além de a poder pôr à venda por um preço mais interessante, o apelo visual do imóvel levará a que o negócio se concretize mais rápido.

Optimização do seu tempo: projectar uma casa – neste caso, os seus interiores – tem tanto de divertido como de trabalhoso. Um arquitecto de interiores pode libertá-lo de uma panóplia de tarefas e de decisões, evitando que tenha que sacrificar a sua vida pessoal e profissional.

Potencialização do espaço: os arquitectos de interiores sabem tirar o máximo partido dos espaços, conseguindo-os levar muito mais além. Os materiais que escolhem, a configuração que privilegiam, o posicionamento de tomadas e dos pontos de luz e a disposição do mobiliário, são determinantes para se aproveitar todo o potencial que uma área tem para oferecer.

Acesso a produtos e a profissionais de excelência: os arquitectos de interiores conhecem muitas lojas, marcas e fornecedores, pelo que lhe darão acesso a uma gama de produtos mais variada e, porventura, a alguns descontos. Além disso, estes especialistas trabalham com outros profissionais importantes para a execução da obra (electricistas, canalizadores, marceneiros, entre outros), pelo que não precisará de estar a procurá-los sozinho.

5. O que considerar antes de contratar um arquitecto de interiores em Lisboa?

Se está determinado a contratar um arquitecto de interiores, deve considerar os seguintes passos:

  • Em primeiro lugar, analise os portefólios de alguns arquitectos de interiores e seleccione aqueles com que mais se identifica em termos de estilo. 
  • Marque reuniões com os arquitectos de interiores que escolheu e aproveite para tirar todas as suas dúvidas. Sugerimos que leve consigo fotografias de espaços de que gosta (pode tirá-las do nosso site, de revistas e das contas dedicadas à arquitectura e ao design que, actualmente, abundam na redes sociais). Através das imagens, é mais fácil transmitir as suas ideias e perspectivas para o projecto. Durante a reunião, pode aproveitar para comunicar quanto está a pensar gastar. Os arquitectos devem saber de que meios o cliente dispõe para delinearem os projectos em função disso.
  • Peça, pelo menos, três orçamentos. Não opte pela proposta mais barata só por esse motivo. Poderá valer a pena pagar mais, se o serviço prestado for mais abrangente.
  • Procure e/ou peça referências deixadas por antigos clientes. Se forem positivas, então poderá avançar com mais segurança. 

6. Onde encontrar arquitectos de interiores em Lisboa?

Lisboa é a capital de Portugal e, como tal, há muita oferta em todas as áreas. Encontrar um arquitecto de interiores na cidade não será difícil.

A sua pesquisa pode começar aqui pela homify. No nosso site, reunimos inúmeros profissionais da área da arquitectura, da construção, do design e da decoração. Todas as imagens existentes na nossa galeria estão creditadas, pelo que basta abri-las para ter acesso aos profissionais por elas responsáveis. Na página de cada profissional, encontrará os contactos de que precisa, mas pode, igualmente, clicar sobre a etiqueta onde se lê ’contactar’ para falar com o especialista em causa, sem ter que sair da nossa plataforma. O nosso propósito é, assim, estabelecer uma ponte entre os profissionais e os leitores e, ao mesmo tempo, dar a conhecer os melhores projectos portugueses.

Para além da homify, pode alargar a sua pesquisa ao Google e às redes sociais. Procure através das palavras-chave arquitectos de interiores + Lisboa ou faça uma publicação, no seu perfil, a pedir uma recomendação. 

Se é pouco dado a redes sociais, então peça uma indicação aos seus amigos, familiares e colegas.

Esteja, ainda, atento às revistas de arquitectura e de decoração onde, não raras as vezes, se encontram boas referências.