Salas de jantar modernas por WERNER SOBEK

A Casa B10: uma experiência de três anos

Sílvia Cardoso – homify Sílvia Cardoso – homify
Google+
Loading admin actions …

Em 1927, Estugarda recebeu uma exposição de arquitectura moderna – a Weissenhofsiedlung - que veio revolucionar a indústria da construção: os projectos criados por vários arquitectos famosos à escala mundial demonstrou como podíamos construir e viver no futuro. Partes da Weissenhofsiedlung foram destruídas durante a guerra e reconstruídas posteriormente – com excepção de uma parcela de terreno em Bruckmannweg que ficou sem uso desde 1945. Nesse local, ergue-se agora uma moradia progressiva e orientada para o futuro que foi concebida para demonstrar como os materiais, as construções e as tecnologias inovadoras podem melhorar o nosso mundo. O projecto de pesquisa, baptizado como B10, a abreviatura para o endereço Bruckmannweg 10, é o primeiro projecto de uma casa activa no mundo. 

Graças a um novo conceito de energia  e a um sofisticado sistema preditivo, a casa gera o dobro da energia que consome, e tudo através de fontes sustentáveis.

Vamos conhecer este projecto do gabinete Werber Sobek.

​Inovação

Sobre a casa, Frank Heinlein, responsável pelo Instituto de Desenvolvimento Sustentável de Estugarda, afirmou o seguinte: “para mim, os aspectos mais importantes são a interactividade e a inteligência do programa informático. Os materiais e a construção não são os elementos decisivos. O mais relevante é o facto de a casa pode pensar e poder ajudar-nos a canalizar a energia numa determinada área”.

A premissa sobre a qual se sustenta esta casa é verdadeiramente impressionante. A casa produz energia capaz de alimentar a rede pública, um edifício de um museu da vizinhança ou, por exemplo, para carregar a bateria de um carro eléctrico. O conceito é conhecido como “triplo zero”, isto é, a casa não gasta energia, não produz lixo, nem polui.

​Uma experiência

Como mencionámos, esta não é uma casa normal, mas sim uma experiência. Ao longo da vida útil do projecto – três anos -, o consumo e gasto de energia e outros dados úteis para a pesquisa serão ininterruptamente medidos e ajuizados pelo departamento Lightweight Structures and Conceptual Design (ILEK) da Universidade de Estugarda.

​Modular

A casa propriamente dita pode ser definida como pequena. Trata-se de uma casa modular que foi pré-fabricada em duas partes antes de ser transportada e colocada em Estugarda no terreno que lhe estava destinado. A casa é reciclável quase na totalidade e usa poucos adesivos tóxicos para se manter segura. 

Thorsten Klaus, engenheiro na alphaEOS, uma das companhias a trabalhar no projecto, descreve o edifício como inteligente e sustentável. Para além disso, encara-o como sendo a materialização de uma nova forma de pensar na revolução da energia renovável. 

Inicialmente, a casa foi usada como escritório, passando depois a ser habitada por dois estudantes que viveram nela durante um ano.

Construção com inovação

A um edifício como este tinham, necessariamente, de estar inerentes inovações no que diz respeito à sua construção. Entre outras, salientamos que se usaram apenas 17 mm de espessura de vidro em toda a fachada. Para além disso, instalou-se tecnologia pré-fabricada e paredes feitas totalmente de madeira reciclável.

​Formato

A casa tem um formato simples e funcional. O cubo alongado é interrompido por largas aberturas que incluem o exterior no conceito de design do interior. No interior, o design é contemporâneo e consistente com o exterior.

​Fim da fase de investigação

Concluída a fase de pesquisa, está previsto que a casa seja totalmente demolida e construída noutro local ou reciclada a 100%.

O que pensa deste projecto? É, sem dúvida, curioso. Gosta de artigos deste género?
Casas modernas por Casas inHAUS

Precisa de ajuda com um projecto em sua casa? Entre em contacto!

Encontre inspiração para casa!