Luz Difusa: Tudo Sobre Este Tipo de Iluminação Versátil, Confortável e Prático | 15 Fotos como Inspiração

Sílvia Cardoso – homify Sílvia Cardoso – homify
Prima Collection - São Nicolau Inêz Fino Interiors, LDA
Loading admin actions …

O conforto de uma casa depende de vários factores. Entre eles, a iluminação. Um mau planeamento do projecto de iluminação criará inúmeros constrangimentos a um quotidiano pautado pela comodidade e pela funcionalidade. Imagine uma cozinha muito bonita, mas com as bancadas mal iluminadas ou uma sala com uma luz branca e fria a tornar a atmosfera impessoal, austera e totalmente desfavorável ao ambiente relaxante e descontraído que esperamos encontrar neste espaço. Não seria agradável, pois não? Ora, isso evita-se planeando calmamente a iluminação, o que implica considerar a utilização que o espaço tem, ter em conta a dimensão do mesmo, identificar problemas (zonas mais escuras, por exemplo), entre outras coisas. É, ainda, fundamental saber que tipos de iluminação existem, o que as diferencia e qual o melhor tipo para cada espaço e/ou momento. Hoje, vamos falar-lhe sobre o conceito de luz difusa e como se distingue da iluminação indirecta e directa. Depois de ler o nosso texto, será mais fácil escolher a iluminação para a sua casa.

1. O que é luz difusa?

Remodelação de Apartamento no Parque das Exposições- Lisboa 10Place - Creating Home Salas de estar modernas
10Place – Creating Home

Remodelação de Apartamento no Parque das Exposições- Lisboa

10Place - Creating Home

Um look contemporâneo e cosmopolita Architect Your Home Salas de jantar modernas
Architect Your Home

Um look contemporâneo e cosmopolita

Architect Your Home

Quando escolhemos lâmpadas, convém perceber exactamente o tipo de iluminação que cada uma proporciona para que se adequem aos ambientes onde as pretendemos colocar.

As lâmpadas que geram uma luz difusa são, normalmente, fabricadas com um vidro leitoso que balança a intensidade da luz sem diminuir o fluxo luminoso. Estas lâmpadas produzem claridade – o filtro, chamado de difusor, retém cerca de 20% da luz e é geralmente de acrílico, policarbonato ou vidro -, mas de um modo mais homogéneo e suave, fazendo com que todo o espaço seja abrangido pela iluminação sem que se formem sombras fortes e sem ferir a vista. É um tipo de luz bastante versátil – porventura, o mais versátil de todos – por fornecer o equilíbrio perfeito entre luminosidade e conforto, sem esquecer a componente decorativa. Não podendo ser classificado como um tipo de iluminação intimista, é bastante relaxante porque reduz os contrastes.

2. O que é luz indirecta?

Pode haver algumas incertezas entre os conceitos de luz difusa e luz indirecta, por isso, vejamos: a luz indirecta é aquela que incide numa superfície antes de ser reflectida, atingindo, assim, o ponto a ser iluminado, isto é, a luz incide sobre uma superfície e ilumina a área por rebatimento. O ambiente é, deste modo, iluminado uniformemente, mas de um modo mais suave, intimista e menos invasivo visto que a fonte de luz não vai directamente para os olhos e só se vê o efeito por ela já produzido. Este tipo de luz é ideal em quartos e em salas de estar, devendo ser criado através do uso de lâmpadas com uma temperatura de cor quente (alaranjadas ou amareladas). O efeito por elas gerado é de extremo aconchego e conforto. A iluminação indirecta deve, no entanto, ser combinada com a iluminação directa.

3. O que é luz directa?

Casa do Zé e da Vanda Homestories Salas de jantar escandinavas
Homestories

Casa do Zé e da Vanda

Homestories

A luz directa é, como o próprio nome indica, a que incide directamente sobre os objectos, sendo ideal para que se possa ver na perfeição o que está a ser feito. No entanto, é uma luz dura e cansativa que gera sombras e contrastes fortes e demarcados. Além disso, também é um tipo de luz que nos mantém mais despertos, não sendo a melhor escolha para iluminar em exclusivo um quarto ou uma sala de estar (estes espaços podem e devem ter luzes directas, mas sempre combinadas com indirectas). O tipo de lâmpada mais apropriado para a iluminação indirecta é a lâmpada LED que não emite raios infravermelhos e UV, não aquece o ambiente e não muda a cor dos objectos.

Dentro da luz directa, podemos destacar dois tipos: 

  • Iluminação directa-dirigida: a luz é direccionada para a frente num plano horizontal, o que permite percepcionar melhor as formas;
  • Iluminação directa-difusa: espalha o fluxo luminoso uniformemente, o que torna a quantidade de luz igual para todos os lados. 

4. Onde usar luz difusa?

A luz difusa na arquitectura pode ser usada em qualquer ambiente da casa devido à sua versatilidade. É difícil errar ao escolher este tipo de luz, mas vamos ver em pormenor.

4.1. Na sala de estar

Living sofisticado e cosmopolita OTHERSIDE ARCHITECTS Salas de estar modernas Bege
OTHERSIDE ARCHITECTS

Living sofisticado e cosmopolita

OTHERSIDE ARCHITECTS

Comecemos pela sala de estar, um espaço especialmente desafiante que é o coração da casa e onde se podem levar a cabo diferentes actividades como ver televisão, socializar, ler um livro, trabalhar, dormir, entre outras coisas. Ora, cada actividade pede um tipo de luz diferente. Se estiver só a ver televisão, uma luz indirecta será suficiente. Para ler e não ter que forçar os olhos, deve ter um candeeiro que lhe forneça uma luz directa, mas se quiser ter o espaço todo iluminado, por exemplo, para receber pessoas, a iluminação difusa será a melhor opção pois fornece a luz geral de que precisa, proporcionando-lhe todo o conforto. A iluminação deve, então, ser trabalhada por camadas para que tenha sempre o tipo de luz próprio para cada momento, necessidade e circunstância.

4.2. No quarto

O quarto é a divisão mais íntima da casa. É lá que descansamos e repomos energias, pelo que a luz difusa é a mais adequada, tanto para a iluminação geral como para os candeeiros que fazem parte da decoração do espaço e que devem estar distribuídos em pontos diferentes do quarto. A luz indirecta é, igualmente, oportuna para este ambiente, podendo estar embutida em sancas ou aparecer sob a forma de frisos de luz. No entanto, se o seu quarto tiver, por exemplo, uma secretária onde costuma trabalhar, então deve iluminá-la com um candeeiro que lhe forneça luz directa.

Na cozinha, o tecto com luz difusa é a melhor opção para se criar uma iluminação uniforme no espaço que, pela sua natureza, não deve ter sombras e contrastes. No entanto, a bancada de trabalho deve dispor de iluminação directa para que se preparem os alimentos com toda a segurança e comodidade. Já uma zona de refeições dentro da cozinha (uma ilha, península ou mesa) ficará maravilhosamente se iluminada por um candeeiro pendente de luz difusa.

4.4. Na casa de banho

Apartamento em Lisboa meta.atelier Casas de banho minimalistas Branco
meta.atelier

Apartamento em Lisboa

meta.atelier

Tal como na cozinha, a casa de banho deve ter uma luz difusa no tecto, para uma iluminação geral, e outra perto do espelho para que nos possamos olhar (maquilhar, barbear, limpar a pele, etc.) sem sombras a criar um obstáculo.

5. Temperatura de cor

Prima Collection - São Nicolau Inêz Fino Interiors, LDA
Inêz Fino Interiors, LDA

Prima Collection – São Nicolau

Inêz Fino Interiors, LDA

SALA DE JANTAR DE T3 EM BRAGA: MESA DE JANTAR E APARADOR TGV Interiores Salas de jantar modernas
TGV Interiores

SALA DE JANTAR DE T3 EM BRAGA: MESA DE JANTAR E APARADOR

TGV Interiores

Outro ponto fundamental no que toca a escolher a melhor iluminação para a casa é ter em conta a temperatura de cor. Antes, quando íamos comprar lâmpadas, só prestávamos atenção aos watts e ao tipo de encaixe (fino ou grosso), mas, especialmente agora, há uma miríade de factores a considerar. A tecnologia evolui e, com ela, o nosso conforto.

A luz pode ter diferentes temperaturas de cor que são medidas em unidades denominadas Kelvin (K). Uma lâmpada que tenha um baixo valor Kelvin produz uma luz quente e uma que apresente um valor Kelvin alto gera uma luz mais fria e que estimula mais os sentidos. Os valores aproximados são estes:

  • Branco Quente: entre 2600 Kelvin a 3500 Kelvin
  • Branco Neutro: entre 4000 Kelvin a 4500 Kelvin
  • Branco “Luz do dia”: entre 5000 Kelvin a 5500 Kelvin
  • Branco Frio: acima de 6000 Kelvin

Na caixa das lâmpadas, essa informação vem descrita e, por norma, acompanhada por um espectro de cores (que vai dos tons alaranjados aos azulados) com uma seta a assinalar a cor a que a lâmpada corresponde.

Outro conceito importante e ao qual deve prestar atenção é o CRI (Índice de Composição de Cores ou, em inglês, Colour Rendering Index) que é utilizado para descrever o efeito de uma fonte de luz no aspecto cromático. O CRI da luz solar natural é de 100, pelo que o CRI das lâmpadas LED deve ser sempre superior a 80 para que a luz gerada tenha um ar natural.

Favoreça cores quentes para espaços que pressupõem relaxamento e escolha cores frias para os espaços onde desempenha tarefas (por exemplo, as bancadas da cozinha).

6. Onde encontrar especialistas em iluminação?

2015, Decoração de Apartamento BI B.loft Salas de jantar minimalistas
B.loft

2015, Decoração de Apartamento BI

B.loft

Terminamos com uma sugestão: independentemente das nossas sugestões, pode valer a pena, especialmente em grandes projectos, consultar os melhores profissionais portugueses na área da iluminação para criar ambientes únicos em sua casa!

Se tiver dúvidas, não hesite em deixar-nos um comentário ou em enviar-nos mensagem privada! :)

Precisa de ajuda com um projecto em sua casa?
Entre em contacto!

Encontre inspiração para casa!