Casa dosTerraços: Janelas   por dacruzphoto

10 tipos de vidro para usar no exterior ou na decoração da sua casa

Sílvia Astride Cardoso – homify Sílvia Astride Cardoso – homify
Google+
Loading admin actions …

Quando se constrói uma casa, há várias escolhas que temos que fazer. Inicialmente, pensamos no estilo da casa. Depois, debruçamo-nos sobre o tamanho da mesma e ponderamos o leque de possibilidades mediante o orçamento disponível. Porém, mais do que a forma, importam os materiais escolhidos para a construção. Afinal de contas, de nada adianta uma casa bonita se não tiver qualidade e oferecer conforto.

Entre a panóplia de materiais que compõem uma casa, temos, claro está, o vidro. Os tipos de vidro para a fachada e/ou os tipos de vidro para janelas são vários e possuem distintas propriedades físicas e químicas. A cada um estão inerentes determinadas características que devemos pesar consoante o tipo de casa (moderna, rústica, clássica, etc.), o local onde se situa (é barulhento ou tem pouca privacidade?), o clima da região (os dias são quentes e soalheiros ou frios?), entre outras coisas.

Mas nem só no exterior se usa o vidro. Como sabe, é um material que aparece recorrentemente na decoração pela sua beleza, leveza e versatilidade.

Hoje, escrevemos-lhe sobre os diferentes tipos de vidro e respectivas características para que faça uma escolha informada. Esperamos esclarecê-lo.

​1. Vidro comum ou float

Começamos pelo tipo de vidro comum ou float que é o vidro padrão com um acabamento liso e que não recebe qualquer tipo de tratamento. Este tipo de vidro está na origem da criação de todos os outros tipos de vidro, motivo que o torna o menos dispendioso. Tem, na sua composição, sílica, potássio, alumina, sódio, magnésio e cálcio.

​2. Vidro duplo ou triplo (eficiência energética)

Casa dosTerraços: Janelas   por dacruzphoto
dacruzphoto

Casa dosTerraços

dacruzphoto

Os vidros duplos e triplos combinam, como o próprio nome indica, dois ou três planos de vidro paralelos separados por um espaço com gás inerte ou ar que garante o conforto térmico e acústico da casa.

O gás inerte pode ser argão ou criptón. Por gás inerte entenda-se o gás que não é reactivo em circunstâncias normais e que, vale realçar, não é nefasto para a saúde dos moradores da casa.

O gás argão – um gás purificado – é mau condutor de calor e quando é inserido entre os planos de vidro, melhora o desempenho dos vidros duplos ou triplos em 15%. O gás crípton é também muito eficaz, mas mais caro, pelo que é menos usado do que o argão que oferece uma boa relação qualidade-preço.

Os vidros duplos ou triplos preenchidos com gás devem ter uma distância de cerca de 13mm. Se forem preenchidos com ar, a distância poderá ser de 16cm.

​3. Vidro de baixa emissividade (eficiência energética)

Os vidros de baixa emissividade são especialmente revestidos para prevenir que o calor gerado no interior da casa se escape para o exterior. Estes vidros têm uma camada/revestimento invisível que reduz acentuadamente a transferência de calor e reflecte o calor do interior de volta para o espaço da casa. As janelas de casas mais antigas não costumam ter vidros de baixa emissividade, mas vale a pena substituir para melhorar a eficiência energética da casa e, com isso, gastar menos em contas no fim do mês. Estes vidros são especialmente importantes em edifícios muito envidraçados e para janelas orientadas para Norte ou Este.

​4. Vidro temperado (vidro de segurança)

Os vidros temperados passam pela têmpera, um processo de tratamento térmico ou químico que assenta no arrefecimento e aquecimento repentino do vidro. Este tratamento torna o vidro mais durável e propicia-lhe maior resistência mecânica. O vidro temperado, quando quebra, em vez de se estilhaçar em bocados cortantes, reduz-se a pequenos fragmentos. É, por isso, mais seguro e, como tal, é o único que pode ser usado em portas sem que estas tenham caixilhos.

​5. Vidro laminado (vidro de segurança)

O vidro laminado forma-se a partir de duas camadas de vidro que possuem uma película fina entre elas. Esta película, em resina ou PVB (polivinil butiral), impede que os estilhaços se dispersem se o vidro se partir. Quando o vidro laminado sofre um impacto forma-se nele um efeito tipo teia de aranha. É preciso um impacto forte para, efectivamente, quebrar. Os vidros laminados oferecem, ainda, um eficaz desempenho térmico e acústico já que a película surge como isolante. Por este motivo, é uma constante o seu uso na arquitectura.

​6. Vidro aramado (vidro de segurança)

O vidro aramado tem uma rede quadriculada metálica (em arame) que o segura caso se parta, pelo que também se insere, tal como o vidro laminado e temperado, na categoria dos vidros de segurança. É um vidro muito utilizado em portas corta-fogo e nas saídas de emergência já que a grelha que o compõe inviabiliza que ele se desfaça perante temperaturas altas.

​7. Vidro impresso (visibilidade reduzida)

Muito utilizado em janelas de casa de banho, portas de duche e móveis, este duche tem, na sua superfície, a gravação de um desenho (pode ser canelado, estriado, ao xadrez ou ter outras fantasias como folhas, etc.). Esta impressão é feita no vidro quando ele ainda está quente e pode ser utilizada em vidros comuns, laminados, temperados, entre outros. O desenho na superfície do vidro, para além de proporcionar privacidade, é decorativo. Apesar de bloquear a visão e distorcer os contornos, não compromete a passagem de luz natural.

​8. Vidro jacteado (visibilidade reduzida)

O vidro jacteado (fosco ou esmerilado) tem as mesmas aplicações que o vidro impresso. Tal como este último, também deixa passar a luz natural ao mesmo tempo que protege a privacidade dos moradores ou resguarda o conteúdo do interior dos móveis. Este vidro, em vez de deformar os contornos, desfoca-os. O vidro jacteado recebeu este ano porque recebia jactos de areia no seu fabrico para ficar com o efeito que lhe conhecemos. Hoje em dia, é fabricado numa cabine fechada com pós abrasivos eficazes e menos tóxicos.

​9. Vidro serigrafado

O vidro serigrafado é pintado a altas temperaturas com uma tinta vitrificada (também conhecida como esmalte cerâmico). A imagem escolhida para ornamentar o vidro é aplicada através de uma tela de silkscreen e passada para o vidro por via de uma emissão luminosa. Após este processo, o vidro vai ao forno e os pigmentos cerâmicos fundem-se e dão origem a um vidro temperado altamente resistente. Estes vidros têm propriedades decorativas notáveis e são eficazes no bloqueio de raios infravermelhos e UV. O vidro serigrafado pode ser usado em portas, paredes divisórias, tampos de mesa, entre outras coisas.

​10. Vidro espelhado

Moradia Unifamiliar T3 - Lordelo-Paredes: Habitações  por EsboçoSigma, Lda
EsboçoSigma, Lda

Moradia Unifamiliar T3 – Lordelo-Paredes

EsboçoSigma, Lda

O vidro espelhado tem uma camada reflectiva (daí também ser conhecido como vidro reflectivo) ou metalizada numa das superfícies, pelo que é usado amiúde nas janelas para proteger a privacidade de quem está no interior da casa. Contudo, os vidros espelhados não afectam a visibilidade do interior para o exterior. Esta camada também reflecte os raios solares e reduz, desta forma, a passagem do calor para o interior das casas.

​Que profissionais lhe podem ser úteis?

Para escolher os melhores vidros para a sua casa, deve aconselhar-se junto de um arquitecto. Este profissional saberá escolher as melhores soluções para o tipo de casa e orçamento disponível. Pode, ainda, consultar uma empresa vidraceira. Aqui na homify, dispomos de uma vasta lista de profissionais organizados por categorias. Afunile a sua pesquisa através da adição do seu código postal ou nome da área de residência. Compare orçamentos antes de tomar uma decisão.

Recomendado:
- 10 terraços modernos com tecto de vidro

Esperamos que este artigo o tenha ajudado! Partilhe connosco o seu feedback.
Habitações  por Casas inHAUS

Precisa de ajuda com um projecto em sua casa? Entre em contacto!

Peça a sua consulta grátis

Encontre inspiração para casa!