Sala de estar e zona de refeições: Salas de estar escandinavas por menta, creative architecture

Um apartamento urbano para um casal com pinta!

Um apartamento urbano para um casal com pinta!

Mariana Caldeira – homify Mariana Caldeira – homify
Mariana Caldeira – homify Mariana Caldeira – homify
Loading admin actions …

O projeto de hoje é dedicado a todos os casais jovens que procuram um apartamento para viver no centro da cidade. Composto por cerca de 30 m2, apresentamos-lhe um projeto de remodelação capaz de transformar uma construção desatualizada num espaço moderno, confortável e, acima de tudo, cheio de estilo!

A equipa responsável pela intervenção é especializada na reabilitação de interiores e já aqui foi mencionada graças à qualidade do seu portfólio. Sediado em Lisboa, o atelier caracteriza-se pela forma simples e moderna como desenvolve os seus projetos, preservando sempre o caráter do desenho original.

Fique a conhecer mais obras desta equipa aquiaqui

Estratégia e contexto

Apesar de degradado pela ação do tempo, o apartamento apresentava um conjunto de características espaciais bastante interessantes. Além da sua planta regular, devidamente distribuída, a construção é abençoada por um sistema de iluminação natural generoso, onde a luz única da cidade de Lisboa invade corajosamente o apartamento. Dadas as características originais do imóvel, os arquitetos optaram por uma intervenção minimalista, capaz de multiplicar a sensação de iluminação, interrompida por pequenos apontamentos de cor, padrões e texturas.

Passado e presente

A área social da habitação funciona em open space e é composta por duas áreas fundamentais: a sala e a cozinha. A peça central da sala é sem dúvida o sofá que, contido nas suas dimensões, consegue respeitar a escala da habitação, garantindo ao mesmo tempo a existência de uma zona dedicada à descontração e ao convívio. Para acomodar as refeições, foi integrada uma pequena mesa junto à janela, suficientemente versátil para servir de secretária de trabalho durante o resto do dia ou consoante a vontade dos seus habitantes.

Cozinha

Tratando-se de uma área de circulação informal, os arquitetos optaram por sinalizar a cozinha através da inserção de detalhes com cor. Assim, a parede que percorre toda a zona de trabalho junto ao balcão foi revestida por azulejos brancos, amarelos, verdes e cinzentos claro. A alegria do pano de fundo criado para a divisão, permitiu que o resto dos elementos seguisse linhas mais minimalistas. A combinação entre os mosaicos coloridos, a bancada em madeira e os moveis brancos conseguiu formar um conjunto surpreendentemente equilibrado.

Privacidade e permeabilidade

A parede que separa a zona social das áreas que pressupõem maior grau de intimidade é interrompida por um grande painel de vidro. Dando, de certa forma, continuidade à informalidade da sala e da cozinha, deste modo foi possível criar um sistema de iluminação natural mais ao homogéneo, preservando alguma privacidade nesta divisão.

Quarto

Procurando criar um local de repouso o mais tranquilo possível, os arquitectos ocuparam o quarto com pouco mais que uma cama. A predominância do branco, responsável pela transformação da sensação espacial, é apenas quebrada por alguns detalhes, nos mesmos tons selecionados para a cozinha. Os dois candeeiros de tecto, em substituição dos tradicionais candeeiros de mesa de cabeceira, além de cumprirem um papel funcional, assumem um caráter escultórico dentro da divisão.

Casa de banho

À semelhança do que acontece na cozinha, na casa de banho os azulejos também servem de tema de fundo a todos os outros elementos. Revestindo o pavimento e de caráter bastante mais tradicional, os mosaicos escolhidos para esta divisão servem de testemunho à arquitetura original da construção, ainda que totalmente acompanhados de loiças e móveis assumidamente contemporâneos. Os pontos de luz artificial que acompanham a divisão conseguiram iluminar devidamente o espaço, sem o dominar excessivamente a área.

Passado e presente

Tal como a maioria dos pavimentos que revestem a habitação, as escadas de acesso ao apartamento mantiveram a presença da madeira. São as características únicas destes material, tão presente na arquitetura portuguesa, que aquecem a casa, tornando-a verdadeiramente acolhedora. No fundo, foi a esta vontade de harmonizar este novo momento da construção com as memórias criadas ao longo do tempo que permitiram atingir um resultado final tão interessante.

O que achou desta remodelação? Cheia de pinta?
Habitações  por Casas inHAUS

Precisa de ajuda com um projecto em sua casa?

Entre em contacto!

Precisa de ajuda com um projecto em sua casa?

Entre em contacto!

Peça a sua consulta grátis

Encontre inspiração para casa!