Casa minimalista no interior de Portugal

Mariana Caldeira Mariana Caldeira
Loading admin actions …

Hoje apresentamos-lhe uma casa situada no interior de Portugal na província de Trás-os-Montes e Alto Douro. Se já está a imaginar a típica casa transmontana com paredes de xisto, cobertura de telha e portas em madeira enganou-se. Desenhada pelo atelier ADOFF Arquitetos, esta habitação é dedicada aos amantes da arquitectura contemporânea com linhas minimalistas e formas depuradas. Venha daí e descubra como se desenha um espaço moderno num lugar tradicional.

Contexto

Rodeada pelos verdes e castanhos de uma paisagem natural fantástica, a área disponível para a intervenção encontrava-se integrada numa zona residencial em expansão da cidade de Mirandela. Desta forma, apesar da ausência de um conjunto arquitectónico que formasse referências, o lote apresentava um conjunto de regras bem definidas relativamente à implantação, volumetria e afastamentos que acabaram por constituir-se como os primeiros fundamentos da intervenção.

A casa

A habitação acabou por se materializar através de uma volumetria muito simples formada por dois pisos que se erguem a partir de uma planta quadrangular. Funcionalmente os espaços foram organizados como maioria dos projectos desta tipologia – o nível de acesso principal ocupado pelas funções mais sociais de uma casa e os restantes pelas que pressupõem um maior grau de intimidade. Sendo assim, no primeiro piso encontra-se a zona de estar, zona de jantar e cozinha que funcionam em conjunto em forma de planta aberta, e ainda um escritório e casa de banho de apoio. O segundo piso é composto por dois quartos, uma casa de banho e uma suíte que conforma o quarto principal da habitação.

Iluminação

O sistema de vãos foi, sem dúvida, um dos aspetos que mais influenciou o desenho arquitectónico. A necessidade de sombreamento permanente e o controlo da luz natural foi garantido recuando os planos de vidro relativamente ao plano da fachada. Estes recuos, além de garantirem uma maior intimidade na relação visual que se estabelece com o exterior, conforma os espaços necessários às áreas técnicas e ainda alguns arrumos. Foi ainda criada uma janela que ilumina zenitalmente a zona de estar que configura o único espaço com pé direito duplo em todo o projeto.

Circulação

A zona central do volume é ocupada pelas escadas que garantem a circulação vertical da habitação. Num desenho simples e leve, este elemento permite ainda o acesso à cobertura que culmina num pequeno volume revestido a chapa. 

Materiais

Os materiais escolhidos procuraram quebrar o branco minimalista por elementos mais escuros que quebram a monotonia e balanceiam a iluminação. Junto às escadas foi introduzida uma parede em xisto que além garantir uma atmosfera mais natural através da sua textura e cor, introduz uma referência à típica casa transmontana e aos materiais próprios da zona. Para os pavimentos foi escolhida uma madeira bastante escura que torna o espaço mais caloroso e apropriado ao ambiente familiar

Contemporaneamente tradicional

Embora se assuma como verdadeiramente contemporâneo, o projeto procurou criar um diálogo entre a arquitetura atual e o contexto mais tradicional em que se insere. As linhas simples e a volumetria pesada, características da construção desta zona, são interrompidas pela presença de vãos heterogéneos nas fachadas. Ao mesmo tempo que o desenho das fachadas quebra qualquer hipótese de monotonia, o acabamento em argamassa fina de cor branca contrasta com as cores mais escuras da paisagem natural.

A organização dos diferentes espaços num único volume compacto, revelam um trabalho de depuração levado ao limite que permitiu criar um edifício inesperadamente simples. Frequentemente, são os projectos mais simples que escondem os processos criativos mais exigentes. 

Conte-nos a sua opinião. O que acha da arquitectura contemporânea neste contexto?
Casas modernas por Casas inHAUS

Precisa de ajuda com um projecto em sua casa? Entre em contacto!

Encontre inspiração para casa!