Vai ficar de olhos em bico – arquitectura Japonesa!

Rita Paião – Homify Rita Paião – Homify
Google+
Loading admin actions …

O artigo de hoje é sobre um projecto habitacional um bocadinho diferente do habitual. Costumamos mostrar projectos de casas unifamiliares grandes ou pelo menos ditas, normais. O caso de hoje é de uma arquitectura japonesa e isso faz toda a diferença! Sabemos à priori como a maneira de estar e de viver é totalmente diferente da nossa, a cultura é outra e os hábitos são totalmente opostos. Ainda assim, e como a curiosidade suscita sempre interesse decidimos mostrar-lhe este projecto de casa estreita e de parede obliquas. Se o exterior lhe causa estranheza os interiores vão fazê-lo mudar de opinião num piscar de olhos… aliás, atrevo-me a dizer que vai ficar de olhos em bico! 

O enquadramento especial

O terreno foi o responsável pela criação desta forma arquitectónica. Quem diria que um terreno em bico fosse tão inspirador para Kota Mizuishi o arquitecto Japonês e o resultado fosse tão diferente e tão positivo ao mesmo tempo. A estranheza, por norma, não se tem como algo positivo, mas neste caso a excentricidade das formas leva-nos a querer ver e saber mais. O planeamento das ruas e a direcção do rio foram os responsáveis pelam fisionomia da área do terreno e o seu enquadramento especial. A sua forma triangular não desencorajou Kota, antes pelo contrário.

A fachada

Talvez não seja a primeira coisa em que se repara, mas já percebeu que esta habitação não se encontra dentro de um terreno murado como é costume? Por norma as pessoas compram um terreno, no caso de moradias, e a primeira coisa que fazem é murar toda a área e dentro construir… este caso não foi assim. A casa parece-se quase como um carro estacionado no fim da rua, encostado a um dos lados.

Os materiais aplicados no exterior são modernos e a zona do telhado e parte das fachadas é a mesma.

Essa zona mais escura, castanha acizentada, parece-se com uma caixa pousada sobre uma estrutura. Repare como esta fachada é tão estreita que nos faz de imediato pensar que o interior é apertado e sem sentido. Questões como: como dispor o mobiliário no interior com paredes obliquas e paredes tão estreitas serão de certeza colocadas.. 

Amplitude

Percebe agora ao que me referia? Os interiores não são nada do que se imagina ao ver a fachada e os exteriores. Imaginam-se divisões pequenas e corredores atrofiados e nada disso acontece na realidade. O quarto é a divisão maior da casa e fica também na zona mais baixa da casa, no rés do chão. É sem dúvida uma zona super ampla e de boas áreas onde a luz entra pelas várias janelas colocadas nas diversas fachadas e pela caixa de escadas.

O materiais

Numa outra perspectiva percebe-se onde existe arrumação e como se acede ao piso superior. Percebe-se quais os materiais usados e constata-se que ainda são alguns: madeira no pavimento, madeira no armário e nos degraus, cimento nivelado e envernizado e ferro pintado de branco na estrutura das escadas.

A sala de estar

Subindo ao piso superior existe uma zona de estar que é também uma zona de trabalho em casa. Percebe-se que é zona de estar mesmo não existindo sofá pois os japoneses sentam-se muito no chão, sobre tatamis.  Toda a zona da janela foi aproveitada para criar um banco corrido com arrumação de caixas por baixo. A entrada de luz natural é imensa.

A ligação

A sala de estar tem acesso directo à cozinha, como se pode constatar pela foto. Neste ângulo percebemos a altura do pé direito e que num piso ainda superior existe algo. 

A cozinha

A cozinha é composta apenas por duas paredes compostas por móveis e electrodomésticos, acompanhas apenas de uma mesa rectangular para refeições. Os candeeiros são originais e reduzem-se a lâmpadas de formato circular suspensas no tecto em duas posições.

O armazenamento

Lá ao fundo conseguimos ver a cozinha. Aqui, a divisão foi aproveitada para arrumar livros e material de escritório. Observe como a parede não fechada na sua totalidade junto ao tecto e foi deixada aberta para a passagem de luz natural e para não se perder o sentido estético tão característico.

A casa de banho

A casa de banho é ampla e é composta por duas zonas de banho possíveis, dentro do aquário formado pelo vidro. O revestimento é de cor creme e mais uma vez o espaço é super brilhante e iluminado.

Vista superior

Da parte mais superior é esta a vista que se tem ao olhar para baixo. Vê-se a cozinha e entende-se finalmente a janela da fachada estreita da segunda fotografia, em que nos questionávamos o interior. Agora já sabemos!

A brincadeira fica nas alturas

Esta zona está ocupada com brinquedos de criança e tem uma boa área para ser dedicada à brincadeira, porém só acompanhados de adultos. Mas claro que esta divisão em mezzanine pode ser o que bem entender.

O lusco fusco

Com o anoitecer, esta é a visão que se tem desta querida e simples casa. A luz interior é amarela e leva-nos de imediato para interiores confortáveis e acolhedores!

Diria que os interiores seriam assim?
Casas modernas por Casas inHAUS

Precisa de ajuda com um projecto em sua casa? Entre em contacto!

Encontre inspiração para casa!