Imagem 3d – sala de estar: salas de estar por davide domingues arquitecto, | homify
< >
imagem 3d - sala de estar: Salas de estar  por Davide Domingues Arquitecto,
< >
imagem 3d - sala de estar: Salas de estar  por Davide Domingues Arquitecto,
< >
imagem 3d - sala de estar: Salas de estar  por Davide Domingues Arquitecto,
Gostou deste projeto?
Entre em contacto para saber mais
OK
Gostou deste projeto?
Entre em contacto para saber mais
OK

Projecto de construção de uma recuperação/ampliação de uma Habitação Unifamiliar a levar a efeito na Quinta do Serrado, lugar das carvalhiças, freguesia e Concelho de Melgaço, Distrito de Viana do Castelo. A zona de intervenção tem uma área de 1886 m2. Área de implantação – 116.71 m2

Área bruta – 254.00 m2

Área total de pavimentos – 215.00 m2

Área Útil – 134.93 m2

N.º de pisos acima da cota de soleira – 2

N.º de pisos abaixo da cota de soleira – 1

Cércea – 9.73 m

A construção existente a intervir está implantada num terreno tipo
quinta onde se cultivam produtos agrícolas destacando-se a actividade vinícola. Insere-se num pequeno aglomerado de características rurais no qual predomina o uso habitacional e a actividade agrícola. As vedações do terreno são em alvenaria de pedra e são para manter.

O edificado existente é composto por duas habitações de pequenas dimensões separadas por uma distância não superior a 2 m. O objectivo da proposta é uni-las num só edifício de habitação e manter a implantação das mesmas, recuperando alguns paramentos.

A área de ampliação final resultará apenas dessa união.

O(s) edifício(s) desenvolvem-se em duas cotas distintas: o 1º corpo que compõe a adega e sala de estar está implantado à cota 52,81;o 2º corpo, que compõe as restantes áreas, está implantado à cota 54,00.

A intenção concepcional do projecto visou desde o início a manutenção
da inserção da construção com a natureza rural e orgânica do sítio, aludindo à arquitectura tradicional e vernacular da região e incutindo-lhe ao mesmo tempo a modernidade actual necessária (evolução). Neste sentido favoreceu-se a utilização de materiais duráveis facilmente recuperáveis e reutilizáveis, a adaptação ao clima e o uso de técnicas construtivas que favoreçam a climatização natural da habitação.

A intenção é manter o conjunto e se misture com a paisagem envolvente como se fizesse parte dela.

Relativamente à volumetria adoptada considera-se que é consequência da
funcionalidade inerente do edifício, própria de outros tempos onde se adaptava a habitação ao terreno de forma orgânica.

Começando pela cota mais baixa do 1º edifício 52,81 onde se localizava antigamente a adega, optou.se por manter esta função de forma a dar apoio à vinha (alvarinho) existente. Também à mesma cota existe um anexo onde se irá localizar futuramente a garagem.

Relativamente ao piso intermédio optou-se por uma distribuição interior que se reflecte no conjunto de volumes exteriores, optando por implantar estrategicamente em primeiro, a circulação vertical (escadas) por forma a assegurar uma correta distribuição de espaços e também com a intenção racional de oferecer conforto e criar ambiências interiores advindas do exterior. Assim sendo todas as áreas têm uma relação directa com o exterior. Este tipo de distribuição tem a vantagem de num mesmo espaço, interagir com o todo mediante pátios e da mesma forma ser independente e individualizado relativamente aos outros. Acima de tudo, permite provocar uma relação do interior/exterior privilegiada.

O último piso, é mais compacto e corresponde à zona dos quartos.

A nível de materiais e revestimentos das fachadas serão mantidas e recuperadas as paredes em pedra da região e completadas com a cobertura e revestimento em zinco intervaladas por painéis envidraçados de forma a conferir à volumetria uma imagem sólida e consonante. A cobertura em zinco manter-se-a inclinada e prolongar-se-a ou estenderá pela fachada conferindo-lhe por um lado a durabilidade própria do material, e por outra uma leveza que tornará a imagem da habitação menos pesada. A caixilharia também será de cor cinza tipo antracite para reforçar a linguagem de unidade com o resto da habitação.

Optou-se por demolir algumas fachadas para permitir o acesso da luz solar e por outro lado, permitir a desejada ampliação de forma a conter todos os espaços pretendidos.

No primeiro edifício, o que contem a adega e sala de estar, demoliu-se parte da fachada, para poder usufruir de toda a paisagem sobranceira à quinta. Consequentemente para poder evitar que a luz solar incide-se demasiado no espaço interior da sala de estar optou-se por prolongar a cobertura de forma a criar sombreamento.

Créditos fotográficos: imagens 3d realizadas por Mikel Ferreira
Fotos semelhantes
Comentários

Solicitar cotação

Número incorreto. Por favor verifique o indicativo do país, da cidade ou número de telefone.
Ao clicar 'Enviar' eu confirmo que li os Política de privacidade e aceitei que a minha informação seja processada para responder a um pedido.
Nota: Poderá anular o seu consentimento enviando email para privacy@homify.com com efeito futuro.